julho 11, 2005

Mário de Sá Carneiro ( 1890 - 1916)

Disse Fernando Pessoa, seu amigo:«...O Sá-Carneiro não teve biografia: teve génio. O que disse foi o que viveu.»


FIM
Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.


Mário de Sá Carneiro(1916)

4 comentários:

phonseka disse...

Fantástico...

Sempre achei estas palavras um mimo...

estrela disse...

olá vagabundo!!
obrigada pela visitinha...
volta sempre que quiseres, não andes a "vagabundear" pela net, podes vir ao meu cantinho que sempre espaço para mais um ;)

fica bem, bjitos

Sara disse...

Adoro literatura e nao podia deixar de comentar principalmente porque para mim Fernando Pessoa é o verdadeiro génio...Na poesia e prosa dele, as palavras tomam novos significados e fazem-nos saír da superfície clara da mente para o abismo frio e quente da instabilidade...continuamente...A propósito já leste o "Livro do desassossego"?(Bernardo Soares-F.Pessoa)

Anónimo disse...

Best regards from NY! »